Modificabilidade Humana e
Aprendizagem Mediada
Reuven Feuerstein
Aumentar Fonte a a+ a+

Artigos

O PEI nas escolas maristas
Site Marista Rio Grande do Sul - 15/7/2005


Desde 1998, as escolas que integram a Rede Marista de Educação vêm aplicando os princípios do Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI). O Colégio Marista Conceição foi o primeiro a ter grupos de trabalho com alunos que apresentavam dificuldades no aprendizado, mas esse método de abordagem logo foi modificado. “Os grupos acabaram criando o estigma de alunos que tinham problemas, por isso decidimos estender o método a um trabalho a ser realizado com toda a turma”, informa Sandra Arruda, da Comissão de Educação da Província.


Hoje, 15 colégios da Rede (Aparecida, Assunção, Champagnat, Conceição, Ivone Vettorello, Maria Imaculada, Medianeira, Pio XII, Roque, Sant’Ana, Santa Maria, Santa Marta, Santo Ângelo, São Marcelino Champagnat, São Pedro) e o Centro Social Marista (Cesmar) possuem professores habilitados à aplicação do Programa. São aproximadamente 150 educadores capacitados e mais 45 que estarão realizando o 2º nível do curso.

Seguindo o Projeto Pedagógico da Província, a Comissão de Educação (Coeduc) busca com a capacitação aprimorar o professor  para que possa ser um mediador entre o aluno e seu objeto de estudo. “O professor deve mediar o processo de aprendizagem, favorecendo a habilidade de perguntar, e não antecipar as respostas”, salienta Sandra. Os cursos que estão sendo realizados, tanto do PEI quanto da Educação para o Pensar, não esperam que os professores apliquem os métodos de forma literal, mas adaptem as suas realidades e as necessidades dos alunos.

“Estamos buscando desenvolver um projeto de aprendizagem mediada, de forma contextualizada e interdisciplinar. As avaliações externas, como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), por exemplo, já nos mostram que é necessário desenvolver uma abordagem pedagógica de forma que o estudante seja capaz de aprender com significado, e mais, que saiba lidar com problemas interdisciplinares”, complementa Sandra mostrando como poderá ser o processo educacional.


E conclui: “se não nos anteciparmos nessa mudança, baseada na lógica, na reflexão e na mediação, de forma proativa, todos estaremos em defasagem com as demandas da sociedade atual e do que o Projeto Pedagógico Marista define: preparar o aluno para pensar e lidar com o inusitado fundamentando as suas ações nos princípios cristãos”.